sábado, 26 de janeiro de 2008

...wish you were here...

Uma das propostas que me impus ao criar o blog seria tentar ver as coisas de maneira diferente do que elas são vistas normalmente. E por esse motivo, falarei agora de uma música, ou melhor, de dois álbuns sob a visão dessa música. Trata-se de Wish you were Here, do Pink Floyd.

A banda, em 1973, lançou o magnífico Dark side of the Moon, álbum que trata de riqueza, fama, loucura e morte. Antes dele, a banda apenas era conhecida no meio underground da músic. Depois, explodiu nas paradas, com o album permanecendo no topo de vendas por anos seguidos. De fato, a banda alcançara o que buscava: o sucesso levou a banda a conseguir toda a fama e dinheiro que trataram no disco.
Wish you were Here normalmente é visto como uma homenagem a Syd Barrett. É compreensível. Mas prefiro vê-lo como um desabafo com relação ao Dark Side. A riqueza veio... Mas e daí? Onde se chega agora? Tudo que se pensava era isso? O tom melancólico das músicas rimam com esse desabafo... Trechos das músicas o confirmam ainda mais... "Remember when you were young...you shone like the sun...", de Shine on you crazy Diamond, e o trecho "What did you dream? It's alright we told you what to dream", de Welcome to the Machine. Mas talvez a música que mais confunde o ouvinte quanto a sua temática seria Wish you were Here, que muito se confunde com a pessoa amada que está ausente. Pelo contrário, a música está encaixada nesse contexto de decepção e lamento, como vemos logo no princípio: "So you think you can tellHeaven from Hell". O que a sociedade colocaria como paraíso, como o máximo da felicidade, que é a riqueza e toda fama que eles conseguiram, não passou de inferno, de nada..."Running over the same old ground. What have we found? The same old fears... Wish you were here...". Penso que eles se refeririam, além do próprio Syd Barrett, aos próprios integrantes da banda, que ainda tocavam juntos, ensaiavam juntos, conviviam, mas... não como antes. Não estavam mais uns nos outros... E esse afastamento desencadeiaria no album The Wall e The Final Cut, ou seja, a ruína do Pink Floyd como banda, agora apenas como Roger Waters.

9 comentários:

Ingrid disse...

Achei interessante essa sua perspectiva analítica sobre o trabalho do Pink Floyd e principalmente sobre a Wish you were here.

As pessoas costumam ficar sempre na mensagem mais acima da música, e não procuram ver os outros significados presentes nela.

HeLô disse...

É tenso falar sobre a ruina do Pink Floyd como banda, vc sabe, né?

Quer dizer, o Division Bell é um puta CD, e é da fase sem Roger Waters já.

Achei o post interessante, mas vc podia ter ultrapassado o comentário só da letra, afinal, isso não é a parte mais importante da música...

Bjs!

Ernai Lucena Neto disse...

Gostei. É uma ótima discussão, mas ainda não tenho muita certeza com relação ao tema de wish you were here.Mesmo assim, muito bom!

Pacato Cidadão disse...

Gostei de suas considerações.
Se não me engano, o disco Wish you were here foi gravado em homenagem ao antigo integrante da banda Syd Barrett, que se afastou, se não me engano por ter tido um surto psicótico ou algo assim. Ele passou a viver isolado, na casa materna, colecionando moedas ou selos (não sei bem). Ao ouvir a música e perceber sua mensagem, sempre imaginei que a personagem retratada é Barrett com seus dois mundos, antes feliz (ou assim achava-se), restou-lhe a cela fria da solidão, da loucura e das lembranças deturpadas de algo que existiu ou teria existido.
é isso...

Jaime Mendes disse...

"Did they get you to trade
Your heroes for ghosts?
Hot ashes for trees?"

Essa música fala pode ser analisada como uma referência à guerra e as perdas que ela traz.

Essa é minha opinião. Gostei da análise.

Rafael Queiroz disse...

Ótima análise. Bem rica e completa. Mas, faltou a observação sobre The Division Bell (sem o Roger Waters), que com certeza, é um dos melhores álbuns da discografia do Pink Floyd. Claro, que The Wall é do Waters, mas ele não é "todo o Pink Floyd", depois de Dark side of the moon, como você deu a entender. David Gilmour também é um dos lideres da banda, e está no mesmo nível que Roger Waters. Mas, não é muito agradável compará-los, pelo contrário, é melhor apreciar o trabalho de ambos.

De qualquer forma, bom post. Parabéns.

Renato disse...

sem demérito das diversas interpretações, para mim tratam-se de digressões ou questionamentos existenciais em um contexto de guerra.Mas é claro , valem para demais balanços de situações extremas , de conflito e etc.. Mas smepre fiquei muito impressionado ouvindo a música e pensando em irmãos, amigos ou parentes em contexto de guerra

Marcelo Jatobá de Araújo Júnior disse...

"Pode haver apenas uma mensagem clara em uma musica.
Mas nunca houve apenas uma razão para escrever-la"

Marcelo J. A. J.

Anônimo disse...

Quanto à letra da música, prefiro pensar q é uma crítica à alienação e a esse modo de vida capitalista, fútil e vazio.